10 problemas ambientais do Peru e suas características

3975
Jonah Lester

O problemas ambientais do Peru Eles estão principalmente ligados à degradação do ar, do espaço territorial aquático ou terrestre, ao uso insustentável dos elementos da natureza e à perda de espécies e ecossistemas..

Esses problemas ambientais estão associados à produção industrial de produtos, bens e serviços destinados a atender às demandas de uma população crescente, com padrões de consumo insustentáveis..

Bacia de mineração de ouro de Yanacocha perto da cidade de Cajamarca. Fonte: Elbuenminero [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)]

O desmatamento é o principal problema ambiental desse país sul-americano. Nos últimos 20 anos estima-se que 2 milhões de hectares foram perdidos, principalmente devido à expansão da fronteira agrícola.

Entre as consequências ecológicas, sociais e econômicas mais importantes dos problemas ambientais do Peru estão a perda de ecossistemas e seus benefícios, conflitos pela água e perda de qualidade de vida devido aos impactos na saúde..

No Peru, o modelo de desenvolvimento predatório que gerou todos esses problemas ambientais, contrasta com uma cultura ancestral da vida, que durante séculos foi construída a partir do respeito à natureza..

Principais problemas ambientais no Peru

Desmatamento

O Peru é um dos países com maior área arborizada da América e do mundo. Acredita-se que a área de floresta original tenha ultrapassado 73 milhões de hectares. No entanto, atualmente apenas 67 milhões de hectares de floresta natural sobrevivem.

Esses altos níveis de desmatamento se devem principalmente à mudança do uso da terra para a produção de alimentos pelo agronegócio. Em menor grau, esse fenômeno é atribuído ao desenvolvimento de áreas urbanas, construção de estradas, mineração e exploração de petróleo, extração seletiva de madeira, plantações ilegais de coca para a produção de cocaína e incêndios florestais..

No departamento de Loreto (nordeste do Peru) 390.000 hectares de florestas virgens foram desmatados em 18 anos devido à construção da rodovia Iquitos - Nauta e à demanda dessas terras para o cultivo de cacau.

Em Ucayali (ao sul) e San Martín (ao centro-oeste), 344.000 e 375.000 hectares, respectivamente, foram perdidos nas últimas duas décadas devido ao cultivo de dendezeiros.

O desmatamento resulta na perda da diversidade biológica e na degradação dos ecossistemas e das bacias hidrográficas, é também o principal contribuinte das emissões de gases de efeito estufa para o Peru.

Geração e uso insustentável de energia

No Peru, a principal fonte de energia utilizada é o petróleo. Os principais depósitos localizam-se na costa noroeste, na base continental e na selva peruana, sendo esta última a zona petrolífera mais importante do país. Enquanto as principais refinarias estão localizadas na zona costeira.

Derramamentos de óleo são comuns na selva peruana, devido a falhas de oleodutos. Esses derramamentos ocorreram consecutivamente por mais de 40 anos de exploração de petróleo na área e tiveram efeitos catastróficos sobre a biodiversidade amazônica e seus povos indígenas..

O uso de combustíveis fósseis destina-se principalmente ao setor de transportes (41%), seguido pelo setor industrial (29%). Em geral, o aumento da demanda de energia nos últimos 20 anos tem sido associado a um aumento nos padrões de uso dos diferentes serviços.

O aumento da demanda nacional pelo fornecimento de energia elétrica tem favorecido o desenvolvimento de grandes projetos de infraestrutura hidrelétrica e termelétricas, que têm causado a contaminação ou destruição de bacias e ecossistemas florestais, além de gerar conflitos sociais com a população deslocada..

Mineração

Em todo o mundo, o Peru ocupa o terceiro lugar na produção de prata, cobre e zinco, o quarto na produção de chumbo e estanho e o quinto na produção de ouro. Além disso, possui importantes depósitos de ferro, manganês e estanho.

Sua economia é amplamente sustentada pela extração e exportação desses recursos naturais. No entanto, a forma insustentável como esta atividade tem sido desenvolvida tem resultado em graves problemas ambientais..

Devido ao fato de grande parte das reservas minerais estarem na Cordilheira dos Andes, a exploração ilegal tem gerado a destruição de ecossistemas estratégicos como os alagados andinos..

Por outro lado, a exploração não autorizada de ouro na Amazônia gerou o desmatamento de mais de 95.750 Ha, em mais de 32 anos. Somente no departamento de Madre de Dios foram registradas mais de 110 áreas de extração ilegal, sendo o setor da Amazônia o mais afetado pela mineração de ouro.

A mineração poluiu bacias hidrográficas e ecossistemas em todas as regiões do país, afetando tanto a diversidade da vida quanto os próprios habitantes locais. Altas concentrações de metais pesados, um produto da mineração, foram relatadas tanto em peixes quanto em crianças e mães grávidas.

A mineração ilegal também ameaça a invasão de áreas naturais protegidas e zonas arqueológicas de grande importância para a humanidade..

Centros urbanos

Senhor dos Milagres em Lima

Em 2018, o Peru tinha 32.162.184 habitantes, sendo o quinto país com a maior população da América do Sul. 76% de sua população vive concentrada nas cidades.

A cidade mais populosa é Lima, com 9.562.280 habitantes (quase 30% da população total do país), seguida por Arequipa (com 1.008.029 habitantes), Trujillo (com 919.899 habitantes) e Chiclayo (com 326.040 habitantes). Essas quatro cidades constituem as áreas metropolitanas do Peru.

Os centros urbanos são um grande problema ambiental para o Peru devido ao seu crescimento não planejado. Geram poluição da atmosfera, águas correntes e solos em decorrência de atividades econômicas, falhas na gestão de resíduos sólidos, emissões e efluentes.

Na atmosfera das cidades, foram relatadas altas concentrações (acima dos padrões internacionais) de chumbo produzido por emissões de indústrias e transportes, e pela desintegração mecânica de partículas, poeira tóxica de fábricas, agricultura e indústria..

O setor de transportes é uma das principais causas da poluição do ar nas cidades. Entre as causas estão a existência de frota de veículos obsoletos, sem regulamentação, combustíveis líquidos com alto teor de enxofre e atividades produtivas e extrativas desenvolvidas com tecnologias arcaicas..

agricultura

A agricultura tradicional do Peru pré-hispânico foi substituída pela agricultura industrial, a partir da revolução verde ocorrida em meados do século XX..

Esta agricultura tem um impacto ambiental importante, devido ao uso de pesticidas (fertilizantes e biocidas), organismos geneticamente modificados e grandes extensões de terra..

Da mesma forma, a agricultura industrial tem uma grande demanda por combustíveis fósseis destinados a máquinas de plantio, colheita, transporte, processamento e armazenamento da produção..

No Peru, os efeitos da agricultura industrial implicam na contaminação da água e dos solos, a degradação dos solos agrícolas, o desmatamento da Amazônia devido à expansão das fronteiras agrícolas e a perda de germoplasma nativo como a quinua alta andina e as alpacas coloridas.

Agricultura é a segunda atividade com maior emissão de gases de efeito estufa no Peru.

Sobrepesca

O Peru possui uma grande diversidade de recursos hidrobiológicos devido à corrente fria de ressurgência que ocorre no mar do sul.

O principal recurso pesqueiro é a anchova, usada para fazer farinha de pecado, sendo o Peru o principal produtor mundial desta. Outros recursos importantes são a pescada, a lula, a corvina, o bonito e o carapau..

Apesar da grande importância ecológica, econômica e social dos recursos hidrobiológicos do Peru, tem havido uma sobreexploração e uma distribuição inadequada dos benefícios. Essa pressão está impactando na renovação desses recursos tão importantes para o país.

Os problemas no setor de pesca incluem uma frota pesqueira superdimensionada e capacidade de desembarque, falta de controle da pesca ilegal e protocolos de pesca de tamanho mínimo para a maioria das espécies e poluição aguda devido a efluentes da indústria pesqueira. Farinha de peixe e frutos do mar enlatados.

Degradação de fontes de água doce e desertificação

O Peru possui 4% da água doce do planeta, distribuída em um grande número de pequenas bacias que drenam para o Oceano Pacífico e em duas grandes bacias: a Amazônia, que drena para o Atlântico, e a bacia endorreica do Lago Titicaca.

Esse importante patrimônio natural está ameaçado pela destruição das cabeceiras e nascentes dos rios, pela poluição por agrotóxicos da agricultura industrial e pela geração, gestão e destinação inadequada de efluentes e resíduos industriais e urbanos..

O Lago Titicaca, compartilhado pelo Peru e pela Bolívia, é o lago navegável mais alto do mundo. Apesar de sua importância econômica, cultural e ecológica, encontra-se gravemente contaminada pelo lançamento de grandes quantidades de efluentes industriais e domésticos, resíduos sólidos e agrotóxicos..

Foi determinado que tanto a lama quanto as plantas aquáticas e a fauna filtrante do Lago Titicaca apresentam altas concentrações de metais pesados ​​como cromo, cobre, ferro, chumbo, zinco, arsênio e cádmio..

Além da poluição das águas, o Peru vive um grave problema de desertificação, com 3,8 milhões de hectares desertificados e 30 milhões em processo de desertificação..

As causas diretas deste fenômeno são o sobrepastoreio, o desmatamento, a gestão agrícola inadequada, a industrialização, a urbanização e a construção de grandes infraestruturas..

Emissões de gases de efeito estufa

As emissões totais de gases de efeito estufa do Peru durante 2012 constituíram 0,34% das emissões globais e 3,5% das emissões da América Latina e Caribe.

As emissões devido a mudanças no uso da terra e desmatamento representaram 46% do total das emissões nacionais durante 2012, com um aumento de 60% entre 2003 e 2012.

Por outro lado, as emissões de CO2 geradas pela queima de combustíveis fósseis representaram 0,14% das emissões mundiais, e apresentaram um aumento de 82% desde 2003. Essas emissões vêm em 39% dos transportes e 25% da geração de eletricidade e calor.

Espécies em perigo

O Peru é o quarto país com maior biodiversidade do mundo. No entanto, uma longa lista de problemas ambientais resultou em uma forte ameaça à sua biodiversidade, o que resultou na alteração dos ecossistemas naturais e da dinâmica populacional das espécies..

Em um diagnóstico realizado em 2018, constatou-se que no Peru existem 777 espécies da flora silvestre ameaçadas. No livro vermelho da fauna, publicado em 2018, foi obtida uma lista de 64 espécies criticamente ameaçadas de extinção, 122 ameaçadas, 203 categorizadas como vulneráveis, 103 como quase ameaçadas e 43 com dados insuficientes.

Além da degradação, fragmentação e perda de habitat, o tráfico ilícito constitui uma das causas mais importantes de perda de diversidade biológica no Peru. Só em 2017, mais de 10.000 espécimes da fauna silvestre foram apreendidos pelas autoridades peruanas.

A cabeça e os membros do urso de óculos (Tremarctos ornatus) é comercializado para uso em rituais de cura. As presas, crânios, peles e garras da onça são vendidas ilegalmente nos mercados das cidades amazônicas. Vários pássaros e répteis são comercializados como animais de estimação.

O sapo gigante do Lago Titicaca (Telmatobius culeus) é uma espécie endêmica deste lago e está criticamente ameaçada de extinção, a categoria mais alta de ameaça. Esta rã é comercializada para uso gastronômico e medicinal.

Você também pode estar interessado nos principais animais ameaçados de extinção do Peru.

Geração e descarte de resíduos

A produção per capita de resíduos sólidos no Peru sofreu um aumento de mais de 85% na última década.

De todos os resíduos sólidos gerados, 84% são coletados, dos quais 31% são destinados a aterros e 14,7% são recuperados ou reciclados. Os 46% restantes são destinados a aterros informais.

Por outro lado, as atividades agrícolas, domésticas, industriais e de saúde pública geram resíduos perigosos.

São produzidas 61.468 toneladas de resíduos perigosos por ano e a infraestrutura para seu gerenciamento é insuficiente. Existe apenas uma empresa autorizada para sua disposição final e um aterro sanitário especializado..

Portanto, a maior parte desse material é descartada como resíduo sólido, tornando-se um problema de saúde pública e um risco de contaminação do solo e da água..

Referências

  1. Banco Mundial (2007). Análise Ambiental do Peru: Desafios para o desenvolvimento sustentável Sumário Executivo. Peru.
  2. Ministério do Meio Ambiente. (2016). Estratégia Nacional de Combate à Desertificação e Seca 2016-2030. Lima.
  3. Dancé, J.J. e Sáenz D.F. (2013). Situação e gestão ambiental no Peru. Universidade de San Martín de Porres.
  4. Ráez Luna, E. e Dourojeanni, M. (2016). Os principais problemas ambientais politicamente relevantes no Peru. 14 pp.
  5. Wikipédia, a enciclopédia livre. Peru. Data da consulta: 21:40, 5 de março de 2019.
  6. Serviço Nacional de Florestas e Vida Selvagem. 2018. Vida selvagem ameaçada do Peru.

Ainda sem comentários