A Teoria do Desenvolvimento Cognitivo da Criança (Jean Piaget)

4426
Simon Doyle
A Teoria do Desenvolvimento Cognitivo da Criança (Jean Piaget)

A teoria de Piaget propõe que o desenvolvimento cognitivo da criança ocorre em quatro estágios ou períodos gerais universais e qualitativamente diferentes. Cada estágio surge quando ocorre um desequilíbrio na mente da criança e ela deve se adaptar aprendendo a pensar de forma diferente.

O método de Piaget para descobrir como funcionava o pensamento das crianças baseava-se na observação e no questionamento flexível, insistindo nas respostas. Por exemplo, ele observou como um menino de quatro anos acreditava que se moedas ou flores fossem colocadas em uma fileira, elas seriam mais numerosas do que se estivessem agrupadas em um conjunto. Muitos dos estudos iniciais que realizou foram feitos com seus filhos.

Teoria de Piaget

Sua teoria, uma das mais ricas e elaboradas realizadas no campo da psicologia, está enquadrada nos modelos cognitivo-evolutivos.

Esses modelos estão enraizados nos escritos que Jean-Jaques Rousseau desenvolveu no século XVIII. A partir daqui foi sugerido que o desenvolvimento humano ocorreu com pouca ou nenhuma influência do meio ambiente, embora atualmente eles dêem mais ênfase ao meio ambiente. A ideia principal é que uma criança se comporte com base no desenvolvimento e na organização de seu conhecimento ou inteligência.

Piaget formula sua teoria dos estágios cognitivos a partir da consideração do desenvolvimento a partir de uma perspectiva organicista, ou seja, ele afirma que as crianças se esforçam para tentar compreender e agir em seu mundo. Esta teoria causou uma revolução cognitiva na época.

Segundo esse autor, o ser humano atua quando entra em contato com o meio ambiente. As ações nele realizadas são organizadas em esquemas que coordenam ações físicas e mentais.

Há uma evolução de meros reflexos para esquemas sensório-motores e posteriormente para estruturas operacionais, de natureza mais intencional, consciente e generalizável..

Essas estruturas supõem uma forma de organizar a realidade ativamente por meio de ações ou por meio das funções das funções de assimilação ou acomodação a novas situações para buscar o equilíbrio que responda às demandas do meio ambiente..

As funções e estruturas

O desenvolvimento humano poderia ser descrito em termos de funções e estruturas cognitivas, tentando mostrar que os aspectos estruturais e funcionais da mente estavam inter-relacionados e que não havia estrutura sem função e não havia função sem estrutura..

Ele também pensou que o desenvolvimento cognitivo evoluiu progressivamente de estágios inferiores para o funcionamento de estruturas mentais reversíveis e formais.

  • As funções são processos biológicos, inatos e iguais para todos, que permanecem inalterados. Estes têm a função de construir estruturas cognitivas internas.

Este autor pensava que quando a criança se relacionava com seu meio, nele se formava uma imagem mais precisa do mundo e eles desenvolviam estratégias de enfrentamento. Este crescimento é realizado graças a três funções: organização, adaptação e equilíbrio..

  • Organização: consistente na tendência das pessoas em criar categorias para organizar as informações, e que qualquer novo conhecimento deve se enquadrar neste sistema. Por exemplo, um recém-nascido nasce com um reflexo de sucção que mais tarde será modificado pela adaptação à sucção do seio materno, da mamadeira ou do polegar..
  • Adaptação: consiste na capacidade das crianças de lidar com novas informações a respeito de coisas que já sabem. Dentro disso, existem dois processos complementares, assimilação e acomodação. A assimilação ocorre quando a criança precisa incorporar novas informações às estruturas cognitivas anteriores. Ou seja, há uma tendência de compreender novas experiências em termos de conhecimentos existentes. E a acomodação que ocorre quando você deve ajustar as estruturas cognitivas para aceitar as novas informações, ou seja, as estruturas mudam em resposta a novas experiências.

Por exemplo, um bebê alimentado com mamadeira que mais tarde começa a chupar um copo mostra assimilação ao usar um esquema anterior para lidar com uma nova situação. Por outro lado, quando descobre que para chupar o copo e beber água, tem que mexer a língua e a boca para sugar, caso contrário está acomodando, ou seja, está modificando o esquema anterior.

Ou, por exemplo, uma criança que tem todos aqueles cachorros grandes associados ao conceito de cachorro. Um dia ele desce a rua e vê um mastim, que é um cachorro que ele nunca tinha visto antes, mas que se encaixa em seu esquema de cachorro grande, então ele assimila. Porém, outro dia ele está no parque e vê uma criança com um chihuahua, este cachorro é pequeno, então ele terá que modificar seu esquema acomodando-se.

  • O equilibrando refere-se à luta para alcançar um equilíbrio estável entre assimilação e acomodação. O equilíbrio é o motor do crescimento cognitivo. Quando as crianças não conseguem lidar com novas experiências no contexto de estruturas cognitivas anteriores, elas sofrem um estado de desequilíbrio. Isso é restaurado quando novos padrões mentais e comportamentais são organizados para integrar a nova experiência..
  • O esquemas são estruturas psicológicas que refletem o conhecimento subjacente da criança e orientam suas interações com o mundo. A natureza e a organização desses esquemas são o que definem a inteligência da criança em um determinado momento..

Estágios do desenvolvimento cognitivo da criança

Piaget propôs que o desenvolvimento cognitivo da criança ocorria em quatro estágios gerais ou períodos universais e qualitativamente diferentes. Cada estágio surge quando ocorre um desequilíbrio na mente da criança e ela deve se adaptar aprendendo a pensar de forma diferente. As operações mentais evoluem da aprendizagem baseada em atividades sensoriais e motoras simples para o pensamento lógico abstrato.

As etapas propostas por Piaget por meio das quais a criança desenvolve seus conhecimentos são as seguintes: período sensório-motor, que ocorre de 0 a 2 anos; período pré-operacional, que ocorre de 2 a 7 anos; período de operações específicas, que ocorre de 7 a 12 anos e período de operações formais, que ocorre a partir de 12.

O diagrama a seguir mostra as características fundamentais desses períodos.

Período sensório-motor

Os padrões iniciais da criança são reflexos simples e, gradualmente, alguns desaparecem, outros permanecem inalterados e outros se combinam em unidades de ação maiores e mais flexíveis..

Quanto às reações primárias, secundárias e terciárias, dizer que as primeiras envolvem o aprimoramento dos esquemas sensório-motores baseados em reflexos primitivos que passam de atividade reflexa a atividade autogerada mais consciente. Por exemplo, a criança que chupa o dedo e repete porque gosta da sensação.

As reações secundárias obedecem à repetição das ações que são reforçadas por eventos externos. Ou seja, se uma criança viu que ao sacudir um chocalho faz barulho, ela vai sacudir de novo para ouvir de novo, primeiro vai fazer de forma lenta e hesitante, mas vai acabar repetindo com firmeza.

Nas reações circulares terciárias, a criança adquire a capacidade de criar novas sequências de comportamentos para lidar com novas situações. Ou seja, a criança repete aquelas ações que acha interessantes. Um exemplo seria uma criança que observa que, ao sacudir o chocalho, o som é diferente de quando ela o pega e atinge o chão.

Ao final dessa fase, a criança já é capaz de ter representações mentais que lhe permitem se libertar de suas próprias ações. E desenvolvem imitação diferida, que é aquela que ocorre mesmo que o modelo não esteja presente.

Período pré-operatório

Esta fase é caracterizada porque a criança passa a usar símbolos para representar o mundo cognitivamente. A função simbólica se manifesta na imitação, jogo simbólico, desenho e linguagem.

Objetos e eventos são substituídos por palavras e números. Além disso, as ações que antes deveriam ser feitas fisicamente agora podem ser feitas mentalmente, por meio de símbolos internos.

A criança nesta fase ainda não tem a capacidade de resolver problemas simbólicos, e existem várias lacunas e confusões em suas tentativas de compreender o mundo.

O pensamento continua a ser dominado pelos aspectos perceptuais dos problemas, pela tendência de se concentrar em um único aspecto (centralização), por sua invariância e incapacidade de realizar transformações e pelo uso do raciocínio transdutivo (a criança vai do particular ao o particular).

Período de operações específicas

A novidade fundamental que ocorre nessa fase é o surgimento do pensamento operacional, baseado no uso de operações. Ou seja, uma ação internalizada (ao contrário do sensório-motor, que era externa e observável), reversível, que está integrada em toda uma estrutura.

Compreender a reversibilidade é uma das características fundamentais da operação. Baseia-se em duas regras: investimento e remuneração.

A inversão garante que as transformações que ocorrem em uma direção também possam ser realizadas na direção oposta. E a compensação é o desempenho de uma nova operação que cancela ou compensa os efeitos de uma transformação.

Nesse estágio, a criança já consegue realizar operações mentais com a parte do conhecimento que possui, ou seja, consegue realizar operações matemáticas como somar, subtrair, ordenar e inverter, e assim por diante. Essas operações mentais permitem um tipo de solução lógica de problemas que não era possível durante a fase pré-operatória..

Como exemplos de operações lógico-matemáticas encontramos conservação, classificações, séries e o conceito de número.

A conservação consiste em compreender que as relações quantitativas entre dois elementos permanecem inalteradas e são conservadas, apesar de poder ocorrer alguma transformação em alguns dos elementos. Exemplo: a criança aprende que uma bola de plasticina permanece a mesma em sua forma arredondada e alongada. E não porque é alongado, é maior do que a forma arredondada.

As classificações referem-se às relações semelhantes que existem entre os elementos que pertencem a um grupo.

As séries, consistem na ordem dos elementos de acordo com suas dimensões crescentes ou decrescentes.

O conceito de número é baseado nos dois anteriores. Ocorre quando a pessoa entende que o número 4 inclui 3, 2 e 1.

Período de operações formais

Isso inclui todas as operações que requerem um nível superior de abstração e que não requerem objetos concretos ou materiais. Como exemplos, podemos falar da capacidade de lidar com eventos ou relacionamentos que só são possíveis em oposição ao que realmente existe..

As características desse pensamento formal são as seguintes. O adolescente valoriza a diferença entre o mundo real e o possível. Quando você se depara com um problema, pode propor uma infinidade de soluções possíveis tentando descobrir quais são as mais adequadas..

Além disso, surge o pensamento hipotético dedutivo, que consiste na utilização de uma estratégia que consiste na formulação de um conjunto de explicações possíveis e, posteriormente, a apresentação destas aprovadas para verificar se são dadas. E, por fim, é capaz de integrar os dois tipos de reversibilidade que praticava isoladamente, investimento e remuneração..

Críticas à teoria de Piaget

Segundo alguns autores, Piaget subestimou as capacidades de bebês e crianças pequenas e alguns psicólogos questionaram seus estágios e forneceram evidências de que o desenvolvimento cognitivo era mais gradual e contínuo.

Além disso, garantem que, na realidade, os processos cognitivos das crianças estariam ligados ao conteúdo específico (o que pensam), ao contexto do problema e às informações e ideias que uma cultura considera importantes..

Diante dessas críticas, Piaget reformulou seus postulados e garantiu que todos os sujeitos normais chegassem às operações e estruturas formais, entre as idades de 11-12 e 14-15 anos, e em todos os casos entre as idades de 15-20..

Bibliografia

  1. Cárdenas Páez, A. (2011). Piaget: linguagem, conhecimento e educação. Revista Colombiana de Educação. N.60.
  2. Medina, A. (2000). O legado de Piaget. Artigos Educere.
  3. Papalia, D.E. (2009). Psicologia do desenvolvimento. McGraw-Hill.
  4. Vasta, R., Haith, H.H. e Miller, S. (1996). Psicología infantil. Barcelona. Ariel.

Ainda sem comentários