Componentes, tipos e importância da vigilância epidemiológica

3739
Simon Doyle

O vigilância epidemiológica é um processo contínuo de pesquisa, avaliação e controle da saúde pública. Envolve a coleta de dados epidemiológicos para sua análise e interpretação e a disseminação de informações. Além disso, serve de base para o desenho de estratégias de curto e longo prazo de combate às doenças infecciosas..

Esse processo de vigilância periódica permite que os órgãos públicos responsáveis ​​pela saúde tomem decisões importantes sobre as doenças existentes ou possíveis ameaças à saúde pública. Para sua efetivação, a vigilância epidemiológica deve estar integrada aos macro planos de prevenção.

Por meio da vigilância epidemiológica, é possível identificar e prevenir a disseminação de casos de doenças ou eventos perigosos, como epidemias, surtos de doenças infecciosas, casos de intoxicações por agrotóxicos e outros venenos..

Para o pleno cumprimento da função de vigilância epidemiológica do estado, é necessária uma rede em todos os níveis de atenção. A referida rede deve ser devidamente estruturada e treinada.

Só assim é possível detectar, avaliar, verificar e analisar dados, para depois notificar as autoridades e lançar campanhas de informação preventiva. Além disso, é um indicador de primeira mão para o planejamento de recursos humanos e financeiros para o atendimento à saúde da população..

Índice do artigo

  • 1 Objetivos
  • 2 Componentes do sistema de vigilância epidemiológica
    • 2.1 Diagnóstico inicial
    • 2.2 Entrada
    • 2.3 Processamento
    • 2.4 Análise e interpretação
    • 2.5 Partida
    • 2.6 Feedback
  • 3 tipos
    • 3.1 EVS universal
    • 3.2 EVS de amostras de casos
    • 3.3 EVS de registros institucionais
    • 3.4 EVS tipo Sentinela
    • 3,5 EVS por pesquisas
    • 3,6 EVS de laboratórios
  • 4 Importância
  • 5 referências

metas

Os objetivos são divididos em dois tipos: individuais e coletivos. Os principais objetivos da vigilância epidemiológica em nível individual são três.

A detecção de agravos à saúde, a identificação de grupos humanos suscetíveis a riscos e a adaptação da população aos planos.

No nível coletivo, os objetivos são o diagnóstico da situação de saúde e a detecção oportuna de novos riscos, em seguida, o planejamento das ações preventivas prioritárias e necessárias.

Componentes do sistema de vigilância epidemiológica

Diagnóstico inicial

Antes de analisar, processar e interpretar a informação recolhida, deve ser efectuado um diagnóstico prévio da situação, quer para a concepção de um programa específico, quer para efeitos de rotina e actualização do plano geral..

Periodicamente, o referido diagnóstico inicial deve ser atualizado levando-se em consideração diversas variáveis ​​como aspectos socioeconômicos da população, bem como distribuição geográfica, recursos ambientais e climatológicos, fontes de contaminação, etc..

Entrada

Este é um componente muito importante do processo de vigilância epidemiológica. A certeza do diagnóstico e o desenho da estratégia para enfrentar uma situação dependem em grande parte da entrada ou coleta de dados eficazes..

Acusação

Possui dois componentes: a análise das informações coletadas e sua interpretação. O processamento da informação deve ser feito através de um esquema de gestão e organização do trabalho rápido e claro. Desta forma, evita-se o acúmulo de informações errôneas ou inúteis.

Da mesma forma, é necessário definir o fluxo e a quantidade de informações que serão processadas juntamente com sua periodicidade, local de coleta e emissão, desde a fonte primária até a instância máxima do sistema e vice-versa..

Análise e interpretação

Os dados brutos coletados são analisados ​​e interpretados a fim de tirar conclusões sobre o estudo ou programa de pesquisa. As informações são agrupadas por categorias com suas respectivas observações.

Partida

Essa fase do sistema de vigilância epidemiológica envolve a proposta feita a partir da análise e interpretação dos dados. Da mesma forma, é executado o plano de ação a seguir para a disseminação da informação.

Em seguida, são elaborados boletins informativos para os níveis de gestão e execução do sistema (médicos e enfermeiras), bem como para a população em geral..

Comentários

Envolve a avaliação dos resultados obtidos e do sistema em geral para ajustar sua estrutura ou planos.

Tipos

Existem vários tipos de Sistemas de Vigilância Epidemiológica (SVE), que são estabelecidos de acordo com a sua cobertura, objetivos, orçamento, recursos humanos e interesse para organizações estatais e não governamentais..

EVS universal

Abrange o número total de casos da população estudada, por isso é denominado “de base populacional”. Envolve todas as instituições que coletam informações sobre riscos ou eventos.

EVS de amostras de caso

Baseia-se em uma parte dos casos coletados; ou seja, compreende uma amostra representativa de todos os eventos. Deve ser suficientemente representativo da população total analisada para ser capaz de fazer inferências realistas.

EVS de registros institucionais

Baseia-se em casos retirados de registros institucionais que são revisados ​​periodicamente para identificar e analisar algumas variáveis ​​de interesse..

A identificação adequada das instituições e suas fontes é muito importante aqui: registros médicos, emergências, internações e altas de pacientes, relatórios policiais, etc..

O EVS dos registros institucionais exige grande precisão quanto à periodicidade das informações coletadas. Requer também a determinação dos mecanismos utilizados, o tratamento da informação, a sua avaliação, a posterior divulgação e a seleção das variáveis..

EVS tipo sentinela

Uma ou mais instituições são escolhidas para determinar a tendência do problema para analisar e focar as atividades SVE planejadas.

Intervenções preventivas são sugeridas. Não são aqui recolhidas amostras representativas da população, mas as situações de risco são determinadas com prioridade para a tomada de decisões..

Exemplos disso são hospitais com maior morbidade e delegacias de polícia com mais casos de crimes.

EVS por sondagens

A informação é obtida através de inquéritos ou questionários orientados para a recolha de informação sobre temas específicos; deve ser feito durante períodos definidos. Este tipo de SVE é combinado com amostras populacionais para determinar possíveis epidemias..

Um exemplo desse tipo de sistema é o aumento de suicídios ou crimes com certas características comuns.

EVS de laboratórios

É utilizado para obter informações específicas, confirmar diagnósticos ou mesmo verificar outros possíveis fatores de risco. Sua utilidade ou importância aumenta quando a finalidade da informação assim obtida serve para estabelecer possíveis riscos de interesse coletivo..

Importância

A vigilância epidemiológica é vital para detectar graves problemas de saúde pública. Serve para desenhar estratégias de curto e longo prazo para enfrentar e combater doenças infecciosas. Também é importante no caso de situações ou eventos que ponham em risco a vida de uma determinada população.

O monitoramento realizado através dos Sistemas de Vigilância Epidemiológica é geralmente realizado por governos em todos os níveis (nacional, regional e local). Isso inclui casos individuais e a avaliação de casos coletivos..

Busca identificar as causas de epidemias ou casos e a compilação sistemática, oportuna e confiável de dados sobre uma população. A análise e interpretação desses dados serão os principais insumos que o governo usará para tomar decisões sobre as situações..

Exemplos disso são gastrointestinais, eventos dermatológicos, hepatite viral, doenças sexualmente transmissíveis, etc. SVE serve de base para a formulação de políticas públicas de prevenção e defesa da saúde da população.

Referências

  1. Vigilância epidemiológica. Recuperado em 20 de junho de 2018 em sciencedirect.com
  2. Vigilância epidemiológica. Consultado em accessmedicina.mhmedical.com
  3. Vigilância epidemiológica (PDF) Consultado de minsal.cl
  4. Vigilância epidemiológica em saúde. Consultado em scielo.sld.cu
  5. Vigilância epidemiológica no trabalho (PDF). Consultado por osalan.euskadi.eus.
  6. Vigilância epidemiológica. Consultado por who.int.

Ainda sem comentários