Sulfonilureias, para que servem, efeitos colaterais, nomes comerciais

4745
Sherman Hoover
Sulfonilureias, para que servem, efeitos colaterais, nomes comerciais

As sulfonilureias são um grupo de medicamentos chamados agentes hipoglicemiantes orais. Ou seja, reduzem os valores de glicose no sangue e por isso são utilizados no tratamento do diabetes mellitus em adultos que não dependem de insulina. São administrados oralmente.

O diabetes mellitus é uma doença em que ocorre falha na produção de insulina ou nos receptores desse hormônio. A glicose precisa de insulina para entrar em muitos tecidos, por exemplo, nos músculos esqueléticos. Quando a insulina falha, a glicose não pode entrar e se acumula na corrente sanguínea.

Esquema de regulação do açúcar no sangue (Fonte: Rhcastilhos [domínio público] via Wikimedia Commons)

Como resultado, os valores de glicose no sangue aumentam, mas a disponibilidade de glicose para os tecidos diminui. Isso provoca cansaço, fome, sede, aumento da produção de urina e, em muitos casos, perda de peso..

Existem dois tipos de diabetes, tipo I e tipo II. O diabetes tipo I só pode ser tratado com insulina (dependente de insulina) porque o corpo não a produz mais. Também é chamado de diabetes juvenil porque geralmente aparece no início da vida.

O diabetes tipo II ou diabetes adulto é causado por uma diminuição na secreção de insulina ou por problemas com os receptores de insulina. Este tipo de diabetes é aquele que pode ser tratado com sulfonilureias.

Índice do artigo

  • 1 Para que eles servem
  • 2 Mecanismo de ação
  • 3 efeitos colaterais
  • 4 nomes comerciais
    • 4.1 Sulfonilureias de primeira geração
    • 4.2 Sulfonilureias de segunda geração
  • 5 referências

Para que servem

As sulfonilureias são utilizadas para baixar os níveis de glicose no sangue, ou seja, são hipoglicemiantes. Este efeito é alcançado pelo aumento dos níveis de insulina. É usado em pacientes com diabetes tipo II ou diabetes adulto.

São medicamentos bem absorvidos no trato gastrointestinal, por isso são administrados por via oral. Todas as sulfonilureias são metabolizadas no fígado e os produtos finais desse metabolismo são excretados na urina..

O efeito hipoglicêmico das sulfoniluréias foi descoberto acidentalmente em 1942 em animais experimentais. Posteriormente, seu uso como hipoglicemiante oral foi ampliado e a primeira droga deste grupo a ser utilizada para esse fim foi carbutamida.

O carbutamida Foi descontinuado devido aos seus efeitos nocivos na medula óssea, mas possibilitou o desenvolvimento de um grande grupo das chamadas sulfoniluréias de "primeira geração". Desde então, mais de 20 medicamentos desse grupo foram desenvolvidos e seu uso se espalhou pelo mundo..

Existem atualmente dois grupos principais de sulfonilureias: 1) as sulfonilureias de primeira geração e 2) as sulfonilureias de segunda geração. Em seus efeitos hipoglicêmicos, os últimos são aproximadamente 100 vezes mais poderosos do que a primeira geração.

Mecanismo de ação

O mecanismo de ação dessas drogas consiste em estimular a secreção de insulina (hormônio) pelas células β do pâncreas (porção endócrina do pâncreas). Embora isso aumente os níveis plasmáticos de insulina, esses medicamentos também diminuem o metabolismo hepático do hormônio..

Esses efeitos são registrados como efeito de curto prazo (agudo) da droga, porém, com o uso crônico dessas drogas, o efeito estimulador das células pancreáticas diminui acentuadamente, mas o efeito na redução dos níveis de glicose no sangue.

A explicação para esse fenômeno não foi totalmente elucidada. Por um lado, acredita-se que a insulina tem um efeito maior nos órgãos-alvo. Por outro lado, a hiperglicemia crônica reduz a secreção de insulina devido a um efeito tóxico, e a redução da glicemia reduz esse efeito..

O efeito agudo das sulfonilureias nas células β pancreáticas ocorre porque elas se ligam e bloqueiam um canal de potássio sensível ao ATP. Isso despolariza a célula (excita) e aumenta a entrada de cálcio por meio de canais dependentes de voltagem e inicia a secreção de insulina..

O efeito do uso crônico de sulfonilureias parece ser acompanhado pela regulação negativa desses receptores de superfície das células β pancreáticas. Se a administração crônica for interrompida, a resposta aguda das células β às sulfonilureias é restaurada.

Em pacientes com diabetes tipo II em uso de sulfonilureias, um aumento na concentração de receptores de insulina foi observado em monócitos (células do sangue), adipócitos (células de gordura) e eritrócitos (células vermelhas do sangue). Uma diminuição na gliconeogênese hepática também foi relatada..

A gliconeogênese hepática é a síntese de glicose que o fígado produz a partir de substâncias não glicosídicas.

Efeitos secundários

Atualmente, os efeitos colaterais da administração de sulfoniluréias são pouco frequentes. Apresentam incidência aproximada de 4% nos pacientes que usam sulfoniluréias de primeira geração e um pouco menor nos que usam as de segunda geração..

As sulfonilureias podem causar hipoglicemia, incluindo coma hipoglicêmico. Isso pode ocorrer especialmente em pacientes idosos com insuficiência hepática e renal e com o uso de sulfonilureias de ação prolongada..

As sulfonilureias podem ser classificadas de acordo com sua meia-vida para reduzir o risco de hipoglicemia. Quanto menor a meia-vida, menor o risco de hipoglicemia e vice-versa. Emergências por esta causa são tratadas com infusão intravenosa de soluções de glicose.

O uso concomitante de sulfonilureias com sulfonamidas, dicumarol, salicilatos, etanol, fenilbutazona ou clofibrato, potencializa o efeito das sulfonilureias e aumenta o risco de hipoglicemia.

Outros efeitos colaterais que podem acompanhar o uso de sulfonilureias são:

- Nausea e vomito

-Tonalidade amarela das membranas mucosas

-Agranulocitose (uma diminuição significativa no número de leucócitos)

-Anemias hemolíticas ou aplásticas (diminuição dos glóbulos vermelhos devido à destruição ou falta de produção, respectivamente)

-Reações de hipersensibilidade (alérgicas)

-Reações dermatológicas (problemas de pele)

Nomes comerciais

As sulfonilureias são classificadas em dois grandes grupos: primeira e segunda geração. Os membros mais importantes e mais usados ​​de cada grupo estão listados abaixo. Seus nomes comerciais estão listados entre parênteses na lista anexa para cada componente de cada grupo..

Gibenclamida, uma sulfonilureia de segunda geração (Fonte: Fvasconcellos 21:27, 16 de abril de 2007 (UTC) [Domínio público] via Wikimedia Commons)

Entre as sulfonilureias de primeira geração estão as tolbutamida, a acetohexamida, a tolazamida e a cloropropamida. A segunda geração, que é mais poderosa, inclui o gliburida ou glibenclamida, glipizida, gliclazida Y glimepirida.

Sulfonilureias de primeira geração

Alguns nomes comerciais estão incluídos. O nome genérico está incluído em negrito e itálico.

Tolbutamida (Comprimidos ORINASE de 250 e 500 mg)

Acetohexamida (Comprimidos DYMELOR 500mg)

Tolazamida (Comprimidos de TOLINASE 100.250 E 500 mg)

Cloropropamida (Comprimidos de DIABENESE 100 e 250 mg)

Sulfonilureias de segunda geração

Alguns nomes comerciais estão incluídos. O nome genérico está incluído em negrito e itálico.

Gliburida ou Glibenclamida (Comprimidos de MICRONASE e DIABETA 1,25, 2,5 e 5 mg, comprimidos de GLINASE 1,5, 3 e 6 mg)

Glipizida (Comprimidos GLUCOTROL, SINGLOBEN 5 E 10 mg)

Gliclazida (DIAMICRON 60 mg)

Glimepirida (AMARYL 2 e 4 mg)

Existem apresentações comerciais que combinam algumas sulfonilureias com outros antidiabéticos orais que não foram incluídos nesta lista.

Referências

  1. Ashcroft, F. M., & Gribble, F. M. (2000). Estimulação da secreção de insulina por sulfonilureia: lições de estudos de canais clonados. J Diabetes Complicações.
  2. Best and Taylor's Physiological Basis of Medical Practice, 12ª ed, (1998) William e Wilkins.
  3. Ganong, W. F., & Barrett, K. E. (2012). A revisão de Ganong da fisiologia médica. McGraw-Hill Medical.
  4. Goodman e Gilman, A. (2001). A base farmacológica da terapêutica. Décima edição. McGraw-Hill
  5. Meyers, F. H., Jawetz, E., Goldfien, A., & Schaubert, L. V. (1978). Revisão da farmacologia médica. Publicações Médicas Lange.

Ainda sem comentários