Causas da rebelião na adolescência e 6 dicas para tratá-la

1438
Charles McCarthy
Causas da rebelião na adolescência e 6 dicas para tratá-la

O rebelião na adolescência É causada pelas muitas mudanças físicas e endócrinas que os adolescentes experimentam, algumas das quais afetam negativamente sua autoestima e bem-estar psicológico.

Essas mudanças biológicas levarão a muitas mudanças comportamentais, como apatia, tristeza ou rebelião. A primeira coisa que você deve fazer é aceitar que seu filho entrou em uma nova etapa da vida e que, inevitavelmente, ocorrerão mudanças em muitos aspectos.

Neste momento, os fatores neurobiológicos serão especialmente relevantes, embora não sejam os únicos. A rebelião, pelos conflitos familiares que acarreta, é um dos comportamentos mais facilmente percebidos e que mais atenção recebe..

Embora possa parecer difícil lidar com um adolescente que exibe um comportamento desafiador, você deve saber que essa atitude também traz benefícios futuros. O fato de um adolescente se rebelar contra a "autoridade" - isto é, pais e professores - o ajudará a se tornar um adulto que defende suas idéias e direitos..

Por outro lado, descobrimos que adolescentes submissos não desenvolverão essas habilidades e se tornarão adultos igualmente submissos. Portanto, sugerimos que você comece a conceber essa atitude desafiadora como uma "rebelião adaptativa".

Índice do artigo

  • 1 Causas de rebelião na adolescência
    • 1.1 Fatores neurobiológicos e psicológicos
    • 1.2 Desapego parental
    • 1.3 Relacionamentos inadequados com colegas
    • 1.4 Disciplina familiar inadequada
    • 1.5 Violência na mídia
  • 2 6 dicas para lidar com a rebelião na adolescência
    • 2.1 Mostrar compreensão e empatia
    • 2.2 Não proíba tudo que você pede
    • 2.3 Seja democrático
    • 2.4 Incentive-o a praticar esportes
    • 2.5 Evite gritar e receber berros
    • 2.6 Se o problema persistir, consulte um especialista
  • 3 referências

Causas de rebelião na adolescência

Fatores neurobiológicos e psicológicos

Como já mencionamos, são muitas as mudanças biológicas pelas quais um adolescente passa, tornando-o irascível, triste ou agressivo..

Por exemplo, é comum que os adolescentes expressem antipatia por mudanças corporais, como o alargamento dos quadris ou o desenvolvimento de pelos nas pernas e axilas..

Os meninos costumam ser mais afetados pela mudança de altura pela qual estão passando, o que os faz se perceberem como desajeitados nos esportes em que se destacavam. A seguinte analogia o ajudará a entender melhor esta situação: Imagine que todas as manhãs você teve que dirigir um carro que está crescendo gradualmente.

A adaptação à nova mudança de tamanho criaria um novo “alongamento”, então você nunca se sentirá seguro ao volante. A essas mudanças biológicas soma-se um período de instabilidade psicológica que dificultará a interação familiar, social e escolar..

Entre os maiores desafios está uma crise de identidade que terão que enfrentar, após a qual terão um maior conhecimento de si mesmos e uma personalidade mais estável.

Desapego parental

Nesta fase em que as crianças começam a entrar na fase da adolescência, colocam de lado os pais como principais figuras de apego, e passam a estreitar as relações com os seus amigos e colegas..

Isso porque eles estão tentando realizar o distanciamento dos pais. Criar sua própria identidade é um dos desafios desta etapa. Portanto, você pode perceber que seu filho é muito vulnerável e influenciado pela opinião dos amigos, passando mais tempo com eles do que com a própria família..

Você também pode não gostar da maneira como ela começa a se vestir ou pentear. Às vezes, eles até se interessam por tatuagens e piercings. Como veremos mais tarde, este aspecto é muito importante para lançar as bases de sua identidade individual..

Relacionamentos inadequados com colegas

Neste momento em que as relações sociais assumem especial relevância, o adolescente experimentará grande tristeza e desânimo diante de relações sociais insatisfatórias - tanto com amigos quanto com parceiros românticos-.

Todas as mudanças que ocorrem nesta fase serão vivenciadas com uma intensidade muito maior.

Por exemplo, uma mudança de residência, o rompimento de um relacionamento, um conflito com um amigo, etc., podem causar uma mistura de sentimentos difusos que o adolescente não sabe como lidar..

Além disso, o fato de não ter um bom relacionamento no ambiente escolar - se você é vítima de bullying, por exemplo - pode causar um desajuste em muitas áreas de sua vida.

Esta situação é agravada quando os jovens não querem partilhar os seus problemas com os pais ou amigos, por medo ou vergonha..

Disciplina familiar inadequada

Na sociedade atual ocorreram mudanças no modelo tradicional de família, em que o pai era o responsável pelo trabalho e a mulher se preocupava com a educação dos filhos..

Felizmente, deixamos esse modelo de família obsoleto para trás e as mulheres também entraram no mercado de trabalho. Porém, com essa nova estrutura familiar, pode acontecer que os filhos sintam que os pais estão ausentes..

Para evitar isso e promover relacionamentos saudáveis ​​entre pais e filhos, é recomendável que ambos os pais se envolvam mais na criação dos filhos. Por outro lado, às vezes também acontece que o adolescente percebe injustiças que ocorrem no ambiente familiar..

Por exemplo, certamente você conhece um caso de ciúme entre irmãos, em que um deles costuma reclamar dos benefícios do outro. Nesse ponto é preciso ter um cuidado especial, pois a percepção da desigualdade de um adolescente é um claro desencadeador de violência e agressividade.

Tenha uma atitude justa com seus filhos, para que os irmãos tenham os mesmos direitos e obrigações.

Violência na mídia

O comportamento de rebelião adolescente está associado -em muitos casos- a manifestações de agressividade. Inúmeros estudos têm buscado encontrar uma relação entre a violência percebida na mídia e a violência manifestada pela população infanto-juvenil..

Embora não seja uma relação muito clara, foram encontrados indicadores de que a exposição a atos de violência estimula os adolescentes a se comportarem dessa forma..

Um dos modelos mais interessantes que tenta explicar esse fenômeno é o de Albert Bandura:

Segundo este autor, as pessoas que se comportam de forma agressiva têm dificuldade em ser empáticas e falta de sensibilidade aos sentimentos dos outros..

Bandura afirma que a exposição de modelos violentos em seu ambiente ou na mídia é uma condição necessária, mas não suficiente para que o adolescente se comporte desta forma..

Em outras palavras, que os adolescentes tenham acesso a modelos violentos aumentará os comportamentos agressivos, mas outros fatores são necessários.

Segundo Bandura, a população infanto-juvenil apresentará um comportamento agressivo ao perceber que isso lhe traz algum tipo de benefício. Por exemplo, meninos que obtêm a aprovação de outras pessoas por se comportarem de forma agressiva tendem a perpetuar esse comportamento..

Além disso, é importante para o adolescente que o modelo de comportamento agressivo seja relevante para ele, como um parceiro que ele admira ou um herói fictício.

Por outro lado, o autor também fala sobre os mecanismos cognitivos que os jovens utilizam ao fazer uso da violência (como a desumanização das vítimas, autoengano quanto às consequências, etc.).

6 dicas para tratar a rebelião na adolescência

Até o momento expusemos as principais causas que provocam comportamentos desafiadores e rebeldes nos adolescentes. Aqui estão algumas dicas que podem tornar mais fácil para você lidar com seus filhos e tornar esta fase mais suportável:

Mostre compreensão e empatia

Lembre-se de que esta é uma fase passageira. Aceite as mudanças que estão ocorrendo neste período. Certamente seu filho já reclamou em mais de uma ocasião que ninguém o entende, ou afirma abertamente que ele é mal compreendido.

Pode ser difícil para você aceitar, mas é possível que ele esteja parcialmente certo. Tente não se concentrar nas punições que você impõe ao seu filho e tente entender o ponto de vista dele.

Se você for aberto, se falar sobre seus medos e preocupações quando tinha a idade deles, eles o verão de forma mais próxima, como alguém em quem pode confiar. Conte-lhe também sobre seus amigos, sobre seus primeiros relacionamentos românticos e não tente inquirir sobre os dele - isso só o distanciará ainda mais.-.

Conte também como era seu relacionamento com seus pais, para que ele se sinta identificado em sua experiência. Estimula a comunicação familiar durante as refeições, sem ligar a televisão ou outros dispositivos eletrônicos.

Aproveite aqueles momentos em família e fique calmo se houver altercações à mesa.

Não proíba tudo que você pede

Já vimos algumas das exigências que seus filhos podem impor a você - piercings, tatuagens, mudanças de visual, entre outros. Selecione algumas áreas nas quais você possa ser mais permissivo, para não se tornar seu inimigo.

Por exemplo, você pode permitir que ela escolha as roupas de que gosta ou decore o quarto como ela quiser. Na verdade, você pode se envolver ainda mais se for às compras com ele e aceitar o estilo de roupa ou música que ele gosta..

Seja democrático

Se você aprender a negociar com seu filho, verá como o comportamento dele apresenta uma mudança positiva. Deixa de lado a educação de ditadura, em que os pais impõem as regras e não há possibilidade de discuti-las. Tudo pode ser discutido.

Também é importante que você e seu parceiro concordem - criar inimizades entre vocês apenas fará com que a criança tire vantagem da situação para seu próprio benefício.-.

Use esta técnica de negociação para tópicos como hora de chegada em casa, viagem, etc. Lembre-se de que você sempre pode chegar a pontos intermediários.

Incentive você a praticar esportes

Os adolescentes costumam estar cheios de energia e, às vezes, essa é a razão para se comportarem de maneira agressiva. Portanto, uma boa opção é que você proponha que ele pratique algum esporte.

Nesse ponto, é recomendável ter especial cautela, uma vez que alguns esportes competitivos - como futebol ou basquete - podem promover comportamentos agressivos. Considere outras opções como atletismo, paddle, corrida, entre outros.

Evite gritar e receber berros

Está provado que gritar não resolve conflitos. Em vez disso, você ficará mais irritado e agressivo. Explique ao seu filho que, enquanto ele usar um tom de voz elevado, não será capaz de dialogar com você.

Na maioria das vezes, os adolescentes gritam para chamar a atenção e tentar tirar sua autoridade. Nunca entre nesse jogo, você é adulto e deve estar acima dessas provocações.

Recomendamos que você ignore esse comportamento até que seu filho se acalme e converse com você como um adulto. Aos poucos, ele vai estabelecendo esse comportamento de diálogo com você, pois vai verificar que não vai conseguir nada gritando.

Se o problema persistir, consulte um especialista

Finalmente, você deve conhecer os perigos de perceber esses comportamentos desafiadores como um comportamento normal, quando se trata de algo mais sério..

Muitos adolescentes presentes depressões mascaradas -alguns por causas graves, como intimidação ou assédio. São assim chamados porque os jovens, longe de apresentarem os sintomas típicos de apatia e tristeza, manifestam comportamentos agressivos..

Se esta for a situação de algum de seus filhos, você deve considerar a possibilidade de que eles estejam passando por um período de desajuste psicológico. Envolva-se na vida dele, sem sobrecarregá-lo, para saber um pouco mais sobre o real motivo de seu comportamento agressivo ou desafiador.

Mostra preocupação com as notas e visita os professores com frequência, para saber que comportamento mostra na escola e se suas relações sociais são adequadas. Os sintomas de problemas mentais podem passar despercebidos, confundindo-se com a típica crise da adolescência..

Outro motivo para se preocupar com seu filho ou filha é que doenças mentais, como depressão, podem ser acompanhadas pelo uso de substâncias ou tentativas de suicídio.

Portanto, caso perceba um comportamento anormal, é recomendável ir a um especialista -psicólogo ou pediatra- para lhe dizer se é necessário ou não iniciar a terapia psicológica..

Esperamos que essas dicas tenham sido úteis para você. Lembre-se de que ninguém nos ensina a ser pais, então fazemos o melhor que sabemos.

Não se culpe pelo comportamento de seus filhos adolescentes e aproveite-os em todas as fases.

No final do dia, como dissemos no início, esta rebelião irá transformá-los em adultos com suas próprias idéias e identidade.

Referências

  1. Alvarez-Solís, R.; Vargas-Vallejo, M. Violência na adolescência. Saúde em Tabasco (2002), vol. 8, não. 2, pp. 95-98.
  2. Amanda Cespedes. Crianças com acessos de raiva, adolescentes desafiadores. Gerenciando transtornos de conduta em crianças.
  3. Bruce E. Levine. Como a rebelião de adolescentes se tornou uma doença mental (2008).
  4. Lamas, C. Para entender a adolescência problemática. Página 63-85 (2007).
  5. Romero Romero, R. Depressão e suicídio em crianças e adolescentes. Revista Cetys University System (2002).

Ainda sem comentários