O que é semiologia médica e o que ela estuda?

5394
Anthony Golden
O que é semiologia médica e o que ela estuda?

O semiologia médica ou clínica É o ramo da medicina que se encarrega de estudar e avaliar os sinais que podem ser indicativos de uma lesão ou distúrbio de função. A semiologia pode orientar o médico para o exame clínico que inclui sinais físicos, tanto funcionais como gerais..

As informações são complementadas por outros exames, como exames de imagem e biologia. Os procedimentos desenvolvidos para obter as informações, basicamente o interrogatório e o exame físico, são conhecidos como método clínico..

A Semiologia é o esteio da medicina clínica. É uma arte e uma ciência. Apresenta um método de classificação do conhecimento e tem como objetivo o diagnóstico. Bem desenvolvida, esta disciplina permite aos profissionais de saúde não só fazerem o diagnóstico adequado, mas também fazerem uma avaliação prognóstica e definirem as linhas gerais de tratamento..

A metodologia da semiologia médica é a linguagem e o pensamento. A ciência semiológica na medicina é aplicada em diferentes modalidades clínicas e cirúrgicas.

Índice do artigo

  • 1 história
  • 2 sinais e sintomas
    • 2.1 Primeira dicotomia
    • 2.2 Segunda dicotomia
  • 3 sinais gerais
  • 4 tipos de sintomas
    • 4.1 Sintomas de remissão
    • 4.2 Sintomas crônicos
    • 4.3 Sintomas recorrentes
  • 5 semiologia quantitativa
  • 6 Semiologia e sua influência na relação médico-paciente
  • 7 referências

História

O diagnóstico de sintomas e sinais já percorreu um longo caminho desde que Hipócrates precisava testar a urina de um paciente.

A Semiologia é o estudo dos signos, e teve sua origem não na medicina, mas na filosofia. O uso médico do estudo dos signos começou no século XVII e, desde então, tem sido a chave do diagnóstico na medicina.

A identificação de sinais tornou-se cada vez mais dependente do médico à medida que o tempo e a tecnologia avançavam.

Antony van Leeuwenhoek inventou o microscópio e o usou para descobrir células e micróbios em 1674, abrindo assim a possibilidade de identificar sinais de doenças completamente invisíveis a olho nu, como organismos estranhos no sangue e na urina, alterações na composição do sangue e resíduos.

Signos e sintomas

Embora muitas pessoas usem as palavras "sinal" e "sintoma" alternadamente, existem diferenças importantes que afetam seu uso na área médica..

Um sintoma é entendido como qualquer evidência subjetiva de doença. Um sinal é qualquer evidência objetiva de uma patologia. Consequentemente, um sintoma é um fenômeno vivenciado pelo paciente, enquanto um sinal é um fenômeno que pode ser detectado por outra pessoa que não ele..

Os sinais clínicos são aqueles obtidos através do exame clínico e são classificados em dois:

Primeira dicotomia

  • Sinais gerais: temperatura, pulso, fadiga.
    Sinais focais: delimitado por uma zona.

Segunda dicotomia

  • Sinais funcionais: sinais detectados no questionamento, não verificáveis ​​por outro sinal clínico, como dor ou disfagia.
  • Sinais físicos: aqueles obtidos no respectivo exame, como vermelhidão, batimento cardíaco anormal.

Os sinais paraclínicos provêm de exames complementares como radiografias, tomografia computadorizada, exames de sangue, entre outros..

Sinais gerais

Os sinais gerais não são muito específicos, pois não apresentam nenhuma característica do órgão e são comuns a muitas doenças. Os sinais gerais permitem ao médico avaliar o estado geral do paciente e as repercussões da patologia

A diferença básica entre sinais e sintomas é quem vê o efeito. Uma erupção cutânea pode ser um sinal, um sintoma ou ambos. Se o paciente notar a erupção, é um sintoma. Se o médico, enfermeiro ou qualquer outra pessoa que não seja o paciente notar a erupção, é um sinal.

Se o paciente e o médico perceberem a erupção, ela pode ser classificada como um sinal e um sintoma.

Independentemente de quem percebe que um sistema ou parte do corpo não está funcionando normalmente, os sinais e sintomas são as maneiras pelas quais o corpo informa ao paciente que algo está errado..

Alguns sinais e sintomas precisam de acompanhamento médico, enquanto outros podem ser resolvidos sem qualquer tratamento..

Um sintoma é um desvio de uma função ou sentimento normal, que é evidente para o paciente e reflete a presença de uma condição ou doença incomum. Exemplos de sintomas são:

  • Tontura.
  • Náusea.
  • Dor.

Tipos de sintoma

Existem três tipos de sintomas:

Sintomas de remissão

Se os sintomas melhorarem ou desaparecerem completamente, eles serão conhecidos como sintomas de remissão. Os sintomas do resfriado comum, por exemplo, podem ocorrer por vários dias e depois desaparecer sem tratamento..

Sintomas crônicos

São de longa duração ou recorrentes. Os sintomas crônicos costumam ser vistos em condições contínuas, como diabetes, asma ou câncer.

Sintomas recorrentes

São sintomas que ocorreram no passado, foram resolvidos e, em seguida, retornaram. Por exemplo, os sintomas de depressão podem demorar anos, embora possam reaparecer mais tarde..

Semiologia quantitativa

A semiologia quantitativa é um ramo da semiologia médica, cujo papel fundamental é quantificar a relevância de um signo clínico. Estuda a presença ou ausência da doença, a presença ou ausência de um sinal, a fim de estabelecer um diagnóstico o mais preciso possível.

Os médicos regularmente enfrentam dilemas ao solicitar e interpretar testes de diagnóstico. A semiologia quantitativa é de grande ajuda na calibração da relevância dos sinais clínicos.

Semiologia e sua influência na relação médico-paciente

A relação médico-paciente é um conceito complexo na sociologia médica em que os pacientes abordam voluntariamente um médico e, portanto, tornam-se parte de um contrato no qual tendem a cumprir as orientações deste.

Globalmente, essa relação evoluiu com os avanços da semiologia e devido à comercialização e privatização do setor de saúde..

Com o desenvolvimento da semiologia médica, o diagnóstico de doenças melhorou significativamente. Ao mesmo tempo, exige condições de comunicação que os profissionais médicos devem cultivar.

Uma boa relação médico-paciente e um uso adequado e prática da semiologia tornam o diagnóstico clínico mais preciso e confiável..

A correta interpretação dos sinais e sintomas, apoiada em rigorosos exames clínicos, conferem alta confiabilidade aos diagnósticos. A semiologia médica desempenha um papel fundamental no diagnóstico clínico e na relação médico-paciente..

Referências

  1. Nordqvist, cristão. Avaliado por Deborah Weatherspoon. Qui, 22 de fevereiro de 2018. Por que os sinais e sintomas são importantes? Recuperado de: medicalnewstoday.com
  2. Semiologia clínica. (2018). Patologia humana. humpath.com.
  3. Chatellier G, Ménard J, Degoulet P. La Revue du Praticien [01 de fevereiro de 1996, 46 (3): 291-297].
    Introdução à semiologia quantitativa. Recuperado de: europepmc.org.
  4. Explorando as dimensões da relação médico-paciente na prática clínica em ambientes hospitalares (2014). Recuperado de: ncbi.nlm.nih.gov.
  5. Bassel Abou-Khalil e Karl E Misulis DOI (1993). Seizure Semiology. Oxfor Medicine On Line. Oxfordmedicine.com recuperado.

Ainda sem comentários