Tipos de degeneração hialina, diagnóstico e tratamento

1516
Philip Kelley

Para entender o conceito de degeneração hialina devemos primeiro saber o que é a substância fundamental. A matriz extracelular ou substância fundamental é o elemento básico a partir do qual um certo tipo de órgão ou tecido é gerado. Apesar de sua falta de "vida" própria, é afetado por tudo que altera a própria célula.

Essa substância fundamental fornece o ambiente ideal para o funcionamento normal da célula. Alguns pesquisadores acreditam que essa matriz provém de uma mesma célula, que prepara o ambiente circundante da melhor maneira possível, não só para funcionar melhor, mas para favorecer sua multiplicação e desenvolvimento..

Fonte: Pixabay.com

A matriz extracelular também pode ser alterada. Existem várias doenças que afetam a substância fundamental, que também são consideradas patologias celulares..

Entre as mais conhecidas dessas condições estão a amiloidose, degeneração fibrinóide, degeneração mixóide e o tópico atual, degeneração hialina.

Índice do artigo

  • 1 definição
  • 2 tipos
    • 2.1 Degeneração hialina do tecido conjuntivo
    • 2.2 Degeneração vascular hialina
  • 3 Diagnóstico
  • 4 Tratamento
  • 5 referências

Definição

A porção hialina da substância fundamental representa seu continente. Seu nome vem do latim Hyalus o que significa vidro, devido à aparência vítrea e homogênea que o entorno da célula possui. A composição da substância hialina é basicamente água e proteínas, embora tenha pequenas quantidades de íons e glicanos..

Conceitualmente, a degeneração hialina é um dano à substância hialina extracelular. As estruturas mais afetadas por esse fenômeno são fibras reticulares, fibras colágenas e membranas basais. Estes são distribuídos por todo o corpo, então a degeneração hialina pode alterar qualquer órgão ou tecido.

Nem todos os processos de degeneração hialina são considerados patológicos. A atresia dos folículos ovarianos e do corpo lúteo, que ocorre quando o óvulo não é fertilizado, são considerados eventos normais e necessários na fisiologia sexual feminina. Algo semelhante ocorre com a degradação do tecido cicatricial e certas inflamações.

Tipos

A degeneração hialina existe em vários tecidos, mas é classificada em duas grandes categorias, a saber:

Degeneração hialina do tecido conjuntivo

É o mais comum e estudado. Ocorre após processos inflamatórios que afetam as serosas, durante a fase em que a fibrina se organiza..

É comum em doenças autoimunes e reumatológicas e após trauma ou lesão. Este tipo é também o que caracteriza a já referida involução normal do corpo lúteo..

Os exemplos mais conhecidos de degeneração hialina do tecido conjuntivo ao nível visceral são lesões na serosa do baço e na pleura ao redor dos pulmões amianto.

Nessas superfícies, formam-se placas lisas, esbranquiçadas, homogêneas, muito finas, mas firmes. Na literatura médica é descrito como pleura de porcelana ou baço caramelo.

Quando a degeneração hialina afeta as fibras de colágeno, a cartilagem é danificada e ocorre a ossificação da cartilagem. Esse fenômeno ocorre com frequência nos meniscos dos joelhos e é motivo comum de consulta em traumatologia. O dano à membrana basal afeta os rins, testículos e brônquios.

A degeneração da rede hialina pode afetar o olho. Embora seja uma entidade patológica rara, a Degeneração de Salzmann, também conhecida como ceratopatia climática em gotículas ou degeneração esferoidal da córnea, parece ter sua origem na degeneração hialina das fibras corneanas, causando opacidade e distúrbios visuais..

Degeneração hialina vascular

A degeneração hialina das artérias e arteríolas é uma condição conhecida há mais de um século. É preciso lembrar que esses vasos sanguíneos que transportam o sangue oxigenado possuem uma importante parede muscular. Na íntima, em uma das camadas da parede vascular, e entre as fibras musculares, restos de proteínas plasmáticas são depositados.

A precipitação de restos de proteína nesses níveis causa espessamento da parede vascular e atrofia das fibras musculares. Observados ao microscópio, esses vasos apresentam um anel espessante característico com diâmetro luminal muito estreito e ausência de núcleos em suas células..

A degeneração vascular hialina é comum em idosos, diabéticos e nefropatas, especialmente aqueles com hipertensão grave e difícil de controlar.

Na verdade, alguns autores afirmam que a degeneração vascular hialina é uma das muitas causas de microangiopatia e nefropatia típicas do diabetes..

Diagnóstico

Chegar ao diagnóstico de qualquer alteração da substância fundamental, especialmente da degeneração hialina, não é nada fácil.

Na verdade, é um diagnóstico comum. É frequentemente confundido com doenças de armazenamento, como sarcoidose e amiloidose em si, ou com artrite reumatóide, lúpus, infecções e até câncer.

Na dúvida, o diagnóstico definitivo será dado por estudos histológicos. A diferença fundamental está na coloração do tecido e nas áreas danificadas. O tecido hialino degenerado sempre ficará eosinofílico com hematoxilina-eosina ou vermelho se Van Gieson for usado.

Fonte: Pixabay.com

A avaliação do tecido mostra alguma indenização da célula, mas com lesões circundantes. Isso não significa que a célula observada não apresente dano, mas que está predominantemente localizada na periferia dela. Na degeneração hialina, sempre haverá a presença de bandas extracelulares homogêneas ou placas de conteúdo proteico.

Ttratamento

A degeneração hialina é uma condição fisiopatológica que pode alterar vários órgãos e tecidos. Dependendo do sistema afetado e dos sintomas, as estratégias diagnósticas e terapêuticas correspondentes serão decididas. Mas a degeneração hialina não tem tratamento próprio ou específico. A gestão será decidida de acordo com a clínica.

Lesões nas articulações e nos olhos podem ser resolvidas com cirurgia. Como os joelhos são os mais afetados pela degeneração das fibras de colágeno, as artroscopias são realizadas com frequência. A cirurgia ocular para remover a opacidade é rápida e fácil. Em ambos os casos, há um alto risco de recorrência.

O baço caramelizado é muito frágil e pode quebrar com o contato. A esplenectomia é de escolha se houver risco de erupção esplênica. A pleura da asbestose também pode exigir cirurgia, embora o tratamento medicamentoso com esteróides seja inicialmente preferido. Na patologia genital, masculina ou feminina, a cirurgia é a escolha.

A insuficiência renal mediada por degeneração vascular hialina, especialmente em diabéticos, é irreversível. Esses tipos de pacientes são tratados inicialmente com anti-hipertensivos e diuréticos, mas geralmente acabam em hemodiálise ou transplante renal..

Referências

  1. Universidade Católica do Chile (s. F.). Alterações da matriz extracelular. Manual de Patologia Geral, Obtido em: publicaçõesmedicina.uc.cl
  2. Acuña, Ezequiel e Peña, Claudio (2011). Patologia Geral, Degenerações Extracelulares. Recuperado de: ezzesblack.wordpress.com
  3. Codesido, Pablo (2016). Menisco degenerativo e sobrecarga interna do joelho. Recuperado de: drpablocodesido.com
  4. Frising, M. et al. (2003). A degeneração hialina da córnea é um precursor da degeneração da córnea de Salzmann?? British Journal of Ophthalmology, 87 (7): 922-923.
  5. Murase, Eiko et al. (1999). Leiomiomas uterinos: características histopatológicas, achados de imagens de ressonância magnética, diagnóstico diferencial e tratamento. Radiográficas, 19 (5).
  6. Bryant, S. J. (1967). Formação de gotículas hialinas no epitélio renal de pacientes com hemoglobinúria. Journal of Clinical Pathology, 20 (6): 854-856.

Ainda sem comentários